segunda-feira, 31 de maio de 2010

velha barca














Observa o barco partindo
Cortando sangue
Rompendo chão
Dividindo águas

Há uma nudez
Não parte
O silêncio
Morada dos olhos

Os não dizeres
São vigas não verbalizadas
Sustentando o caz
Aparando as mágoas

(Juliana Trentini)

Aperitivo poético:

UM SOM (DOS SONS)

A dureza distante do mar, no ouvido 
- oiço-a, a boca [anula a voz,

o sentimento. Silente, encerro-me: onda que invade
por um nervo, eco de um som (dos sons).
Ou o mar me, involuntária, submergisse.


(Fiama Hasse Pais Brandão)

2 comentários:

  1. seus detalhes são tão intensos que é impossível não se perder em horas de contemplação... inspiração

    ResponderExcluir